Casual


Hoje o céu amanheceu triste, chorando rios de chuvas. Lembrei aquele dia em que eu o encontrei. O dia estava assim também, chovendo.
Nosso encontro foi rápido. Eu ia para o meu trabalho no centro da cidade e peguei o mesmo ônibus de sempre, para passar pelos mesmos lugares de todos os dias, para ver quase as mesmas pessoas. Quase porque nesse dia eu o vi, coisa que era muito raro de se acontecer, ainda mais dentro de um ônibus.
Ele estava trajando um moletom vinho, uma calça social preta e trazia de lado uma bolsa estilo executivo. Seus sapatos eram sociais e ele estava de óculos. Ultimamente as pessoas usam óculos para esconder as olheiras, pois isso os usam até em um dia de chuva.
Aproximei-me da cadeira onde ele estava sentado e ele me cumprimentou. Mostrou seu mais belo sorriso e me ofereceu seu lugar, quando o homem que estava ao seu lado deu sinal de que ia descer. Então sentei ao seu lado.
Por educação perguntei como estava sua vida e ele respondeu calmamente e então perguntou como eu estava. Foi uma conversa casual, uma conversa entre amigos que não se vêem há muito tempo. Conversamos até a hora em que tive que descer. Por sorte o ônibus para bem na porta do prédio onde trabalho.
Separamo-nos com muito afeto: ele, de dentro do ônibus, ainda me disse adeus, com a mão. Conservei-me à porta, a ver se, ao longe, ainda olharia para trás, mas não olhou. Nossa relação agora não passa disso. Nem parecemos mais aquele casal de adolescentes apaixonados, prometendo amar um ao outro até a eternidade. Mas tudo bem, pelo menos não ficou nenhum rancor entre a gente, pelo menos eu conseguir esconder o meu amor por ele.

1 pensamento(s) diverso(s):

Pri disse...

Triste né? :(