Só me leia – isso é tudo...

E então vai chegar um dia em que eles irão pegar todas aquelas fotos e relembrar os momentos de sorrisos e quando estavam ao lado dela, dividindo alegrias perdidas entre as coisas simples dessa vida.
Talvez um dia se arrependam das discussões, mentiras e opressões. Talvez sempre vão pensar que tudo foi para o seu bem e continuar a viver em meio a cenas falsas disfarçadas em público, coisas já faziam antes de sua partida definitiva.
Ou, quem sabe, irão chorar a perda e talvez até dizer que deveriam ter-lhe dado mais atenção desde o início.

Não, ela não quis chamar atenção. Precisava apenas pôr para fora aquilo que lhe consumia, já que falar não lhe era permitido. Escrever era tudo que tinha, mas não o suficiente. Aquilo tudo à sufocava e não viu outra alternativa...
  

“Quem diz que me entende nunca quis saber
[...]
Quando ela se corta ela se esquece
Que é impossível ter da vida calma e força
Viver em dor, o que ninguém entende
Tentar ser forte a todo e cada amanhecer.
[...]
Ninguém entende, não me olhe assim
Com este semblante de bom-samaritano
Cumprindo o seu dever, como se eu fosse doente
Como se toda essa dor fosse diferente, ou inexistente
Nada existe pra mim, não tente
Você não sabe e não entende”
Legião Urbana - Clarisse

1 pensamento(s) diverso(s):

Iasmin Cruz disse...

Oi, tudo bem?
O Refúgio das Palavras começa 2012 com grandes novidades e vim lhe convidar para conferir.
http://iasmincruz.blogspot.com/2012/01/novidades.html
Tenha um ótimo fim de semana.