Ato 1 - O Jogo

Embora não haja nenhum motivo concreto, o "achar" incomoda bastante. Na cabeça flutuam pensamentos cheios de sentimentos diversos. Teorias são formuladas, questionamentos são refeitos e relações são desfeitas. A verdade inventada dói e a verdade real nunca é aceita. Então o jogo começa. Julgamentos são feitos sem a presença de um advogado e o júri fica dividido. Não é dada a chance de defesa. O acusado é declarado culpado sem ao menos ter jurado falar nada mais que a verdade e é obrigado a ficar em silêncio, caso contrário algo pode lhe ser usado contra.
Depois da sentença, cada um vai para o seu lugar. Maus olhares são lançados àquele que foi sentenciado. Devido ao cinismo de uns, outros são afetados. Alguns dizem saber da verdade, mas não a enxergam nem mesmo quando ela está prestes a lhe ofuscar a visão. A partir daí, os testes começam e mais uma etapa do jogo é lançada. Indiretas são jogadas ao vento e se houver uma resposta, talvez seja porque o réu se declara culpado, mesmo ele estando no direito de se defender. Volta à tona a verdade inventada. Mais pessoas são afetadas e o desejo de vingança se torna inevitável.
A verdade cai por terra e mais dúvidas surgem. Não há levantamento de fatos nem acúmulo de depoimentos, apenas suposições. Erros são apontados e mais acusações são feitas. Detalhes são analisados de forma errada dando um novo rumo à investigação, que acaba se tornando falha. Aos olhos de terceiros, o caso é visto como cansativo e sem nenhum valor. O caso passa a ser arquivado e o réu, por fim, tem um descanso enquanto espera a próxima acusação.


“Tudo o que eu disser
poderá ser usado contra mim,
me calo...”
Troy Rossilho - Tadinha de Você


0 pensamento(s) diverso(s):